Indústria brasileira decepciona e cai 0,1% em março, diz IBGE

A produção industrial do Brasil voltou para o negativo em março e caiu 0,1% na comparação com o mês anterior. Os números com ajuste sazonal (espécie de compensação sobre eventos isolados do período para comparação) voltaram ao patamar negativo após uma leve alta de 0,1% na produção de fevereiro.

Os dados foram divulgados nesta 5ª feira (3.mai.2018) pelo IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística) vieram muito abaixo das expectativas de analistas consultados pelo Poder360. Eles projetavam crescimento mensal de 0,58%, na média.

Na comparação com março de 2017, a indústria nacional cresceu 1,3%. Trata-se da 11ª alta consecutiva nessa base de comparação e a menor desde junho de 2017 (0,8%). Apesar de positivo, o crescimento também ficou muito abaixo das expectativas de 3,44%, na média, dos analistas ouvidos pelo Poder360.

Com os números consolidados em março, a indústria brasileira segue apresentando recuperação inconsistente e encontra-se 15,3% abaixo do nível recorde alcançado em maio de 2011.

ÍNDICES ACUMULADOS

No 1º trimestre de 2018, a produção industrial acumula alta de 3,1%. Já o acumulado nos últimos 12 meses avançou 2,9%, número igual ao observado no mês anterior e o melhor desde junho de 2011 (3,6%).

BENS DE CAPITAL LIDERAM ALTAS

A categoria de bens de capital apresentou a maior taxa de produção entre os meses de fevereiro e março (2,1%). Ao lado do setor de bens de consumo duráveis (alta de 1,0%), os segmentos pesquisados mostraram as expansões mais acentuadas do mês, acumulando ambos 2 meses consecutivos de crescimento. Nesse período, a alta acumulada atinge 2,9% e 4,2%, respectivamente.

Na outra ponta, bens intermediários tiveram quedas de 0,7% na comparação mensal. Já na comparação interanual, os bens duráveis e de capital também tiveram alta (15,8% e 8,3%, respectivamente). Já os setores de bens de consumo semi e não-duráveis (-1,7%) e bens intermediários (-0,2%) tiveram recuos na comparação com março de 2017.