Bancadas fazem ato por Lula Livre nos 39 anos do PT

PT 39 ANOS

O Partido dos Trabalhadores (PT) realizou, na quarta-feira (13), no auditório Nereu Ramos, da Câmara dos Deputados, um grande ato pelos 39 anos do partido que mais fez pelo Brasil e em defesa da liberdade do seu presidente de honra, Luiz Inácio Lula da Silva, o único preso político da história recente do Brasil. Em meio a uma ditadura, em 1980, nasceu para defender a classe trabalhadora. Em quase quatro décadas, nunca na história deste País houve um partido com maior poder de transformação social, por meio da inclusão dos pobres nas receitas da economia.

Durante os 13 anos dos governos do PT, cerca de 40 milhões de pessoas passaram a fazer três ou mais refeições, por dia; mais de cinco milhões de filhos de pobres acessaram os bancos universitários; o Brasil passou da 16ª para a 6ª economia mundial; o salário mínimo foi valorizado acima da inflação; cerca de sete milhões de pessoas adquiriram um imóvel; pobres passaram a viajar de avião e a comprar carro; mais de 12 milhões de habitantes do semiárido tiveram acesso a água perene. Porém, a maior conquista, uma obsessão de Lula, a fome deixou de ser um flagelo estrutural, no Brasil. Em 2012, a Organização das Nações Unidas (ONU) declarou que o País estava fora do Mapa da Fome, um monitoramento realizado pela instituição.

Para o deputado federal, Enio Verri, o PT transformou o Brasil num país respeitado no mundo todo e fez com que os mais pobres fossem respeitados e tratados como cidadãos. Ainda de acordo com o parlamentar, apesar de ser imprescindível comemorar a vida e a trajetória de um dos mais importantes partidos da América Latina, que lutou pela sua integração, é também o momento de recompor as forças para enfrentar o momento obscuro pelo qual passa o País, ainda mais temerosos que os anos de chumbo que o partido enfrentou com galhardia e honra.

“É o momento de fazer muita festa, dar os parabéns a todos os companheiros e as companheiras, mas, também, não esquecer de gritar bem forte, Lula Livre, que é um preso político num momento em que forças sinistras ascendem ao poder”, declara o deputado.