Biografia

Nascido em Maringá (PR), Enio Verri é o mais velho de quatro irmãos. Ele é casado há mais de 30 anos com Neusa, com quem tem um filho, o Francisco, que é casado com Marina, pais do João Miguel. Verri é graduado e Mestre em Economia, pela Universidade Estadual de Maringá (UEM), onde é professor licenciado. Titulou-se doutor pela Universidade de São Paulo (USP), em Integração da América Latina.

Ator político comprometido, Verri milita desde jovem no campo socialista, com uma defesa intransigente do justo e democrático acesso da classe trabalhadora às riquezas que ela produz. Ciente do abismo que separa os que têm dos que não têm, atuou nas Pastorais da Juventude, Operária e Universitária. Durante o período da faculdade, destacou-se nos movimentos estudantis atuando ao lado dos que lutaram e ainda lutam por uma universidade pública de qualidade e acessível a todos os brasileiros.

Entre os anos 2000 e 2001, Verri esteve à frente da Secretaria de Fazenda de Maringá. O então secretário recebeu o município numa situação fiscal caótica. Para recuperar as contas, primeiro renegociou as dívidas com os credores. Depois, buscou recursos no Imposto Sobre Serviços de Qualquer Natureza (ISSQN), de onde conseguiu ampliar a contribuição dos bancos e dos prestadores de serviços. De outra forma, junto à Secretaria de Desenvolvimento Urbano, a Fazenda levantou a Planta Genérica de Valores pela qual foi possível cobrar um Imposto Predial e Territorial Urbano (IPTU) mais justo, segundo o qual os pobres pagaram menos e os ricos pagaram mais. Enfim, aumentou a arrecadação sem afetar as pessoas de menor renda.

Entre os anos 2002 e 2004, ocupou a Secretaria de Governo do município. Em 2004, assumiu o cargo de Assessor Técnico da Presidência da Comissão Mista de Orçamento do Congresso Nacional (CMO). No mesmo ano, ocupou a chefia do Ministério do Planejamento, onde permaneceu até 2006, quando se candidatou e foi eleito deputado estadual pelo Partido dos Trabalhadores (PT), quando se licenciou do mandato para assumir a Secretaria de Planejamento e Coordenação Geral do Estado, onde ficou até o fim do seu mandato.

À frente do cargo, Verri dividiu estado do Paraná em cinco grandes regiões e aplicou o Programa de Desenvolvimento Econômico (PDE), por meio do qual aplicou 30% a mais do orçamento estadual nos municípios mais pobres, nas áreas da educação, saúde, infraestrutura, etc, para haver um desenvolvimento isonômico entre os municípios. O resultado foi uma melhor distribuição de investimentos e o aumento do Índice FIRJAN de Desenvolvimento Municipal (IFDM).

Em 2009, 75% da militância do estado o elegeu presidente do PT do Paraná. Em 2013, mais de 70% dos filiados ao partido o reelegeu a mais um mandato à frente do diretório estadual. Em 2010, candidatou-se novamente a uma cadeira na Assembleia Legislativa e foi o terceiro deputado estadual mais bem votado naquele pleito, com 87.080 votos.

Em 2014, elegeu-se deputado federal com 107.508 votos. Durante o governo de Michel Temer, atuou como vice-líder da oposição na Câmara dos Deputados.

Foi reeleito deputado federal em 2018, com 62 mil votos. Na Câmara de Deputados tem como objetivo ser o elo dos municípios com o governo federal e promover políticas e ações de desenvolvimento social e econômico.