Mercosul é o melhor caminho para o fortalecimento e desenvolvimento dos países, afirma Dilma

Publicado em 12 de julho de 2013

A presidenta ainda lembrou que o comércio entre os estados membros cresceu 12 vezes desde a criação do mercado comum, passando de US$ 4,5 bilhões, no início da década de 1990, para US$ 58 bilhões.

“Nossos críticos esquecem que, desde o início dos anos 1990, nosso intercâmbio comercial multiplicou-se mais de 12 vezes. (…) Tenho certeza que nós devemos valorizar o Mercosul, porque diante, tanto dos momentos de expansão, quanto dos de crise, o Mercosul é o melhor caminho para o fortalecimento dos nossos países, para o desenvolvimento de nossas economias e para a afirmação da cidadania de nossos países”, afirmou Dilma.

Mais cedo, o ministro de Relações Exteriores, Antonio Patriota, anunciou que Guiana e Suriname passam a ser estados associados do Mercosul, juntamente com Bolívia, Chile, Colômbia, Equador e Peru. Os membros plenos do bloco são Brasil, Argentina, Uruguai e Venezuela. O Paraguai está temporariamente suspenso, mas deve recuperar o status de membro pleno em agosto, com a posse do presidente eleito Horácio Cartes.

“Quero saudar o fato de o Mercosul passar por um importante momento de ampliação de sua área de abrangência. (…) O ingresso efetivo da Venezuela no bloco, além de aportar ganhos econômicos, ganhos de escala, reforça a dimensão política, a dimensão estratégica do bloco. (…) Todos os países da América do Sul passam a participar, de uma forma ou de outra, do Mercosul. Temos, porém, uma tarefa importante a realizar. E aí eu me refiro ao regresso do Paraguai, sócio fundador do Mercosul. (…) O Paraguai e o povo paraguaio são partes essenciais do destino do Mercosul. Queremos tê-los de volta”, destacou.

Dilma se solidarizou com o presidente boliviano Evo Morales, que foi impedido por alguns países europeus de fazer escala no retorno de viagem à Rússia no início do mês. Ela afirmou ainda que as denúncias de que comunicações eletrônicas e telefônicas de cidadãos e instituições de países da América Latina estão sendo objeto de espionagem por órgãos de inteligência ferem a soberania e o direito a privacidade.

“Defendemos que a soberania, a segurança de nossos países, a privacidade de nossas comunicações, a privacidade de nossos cidadãos, a privacidade de nossas empresas, devem ser preservadas, e esse é o momento de demonstrar um limite para o Mercosul. O governo e o povo brasileiro não transigem com sua soberania, como eu tenho certeza, os governos e os povos que integram o Mercosul não transigem com a deles. (…) Queria também saudar a decisão de afirmação no âmbito do Mercosul do direito ao asilo”, completou.

Enio e Lula

Vem com a gente

Lula e Dep. Federal Enio Verri

Faça parte da rede de defesa dos DIREITOS SOCIAIS e pela DEMOCRACIA.

Enviar mensagem
Vamos conversar?
Olá!
Envie sua mensagem para o deputado Enio Verri.