Delator diz que R$ 4,3 milhões do Fisco foram para a campanha de Richa

Publicado em 11 de junho de 2015

Gazeta do Povo

A denúncia apresentada nesta quarta-feira (10) pelo Grupo de Atuação Especial de Combate ao Crime Organizado (Gaeco) acrescenta novos elementos aos relatos já divulgados de que dinheiro desviado da Receita Estadual pode ter sido usado na campanha de reeleição do governador Beto Richa (PSDB), em 2014. Novamente, as informações se baseiam principalmente no depoimento do auditor Luiz Antônio de Souza, preso em fase anterior da Operação Publicano e que se tornou colaborador da Justiça. Segundo Souza, podem ter sido usados até R$ 4,3 milhões ilícitos na campanha. O PSDB nega qualquer irregularidade.

No documento apresentado pelo Gaeco à Justiça, que resultou na decretação da prisão de 68 pessoas, aparece um longo trecho da delação premiada de Souza em que ele fala sobre um suposto esquema de arrecadação para a campanha eleitoral. Segundo ele, que chegou a ocupar o cargo de inspetor regional de fiscalização, o esquema teria envolvido pelo menos sete delegacias da Receita.

Souza afirma que ouviu de Márcio Albuquerque de Lima, à época inspetor-geral da Receita, que Luiz Abi Antoun, primo distante do governador Beto Richa (PSDB) e apontado como “eminência parda do governo”, teria em 2014 a expectativa de conseguir R$ 1 milhão para a campanha na Delegacia de Londrina. Nessa versão, a delegacia da Receita de Curitiba teria sido incumbida de arrecadar R$ 2 milhões.

“Com relação às demais delegacias (sendo certo que isso inclui as Delegacias Regionais de Maringá, Umuarama, Cascavel, Foz do Iguaçu e Ponta Grossa), o compromisso era de que a própria IGF (Inspetoria Geral de Fiscalização) repassaria diretamente para Luiz Abi R$ 300.000 mensais, por cinco meses, que seriam recolhidos pela IGF dessas delegacias”, diz documento do Gaeco, citando a delação de Souza.

De acordo com o delator, os R$ 4,3 milhões seriam formados por R$ 2 milhões de Curitiba, R$ 800 mil de Londrina e R$ 1,5 milhão das demais delegacias. Na versão de Souza, Márcio Albuquer de Lima entregava pessoalmente o dinheiro para Luiz Abi, em Londrina ou em Curitiba. Ele disse ainda que Abi sabia que a origem do dinheiro era ilícita.

O PSDB nega que tenha usado dinheiro ilício na campanha. De acordo com o partido, a campanha registrou todas as receitas e teve suas contas aprovadas pela Justiça Eleitoral. O PSDB também afirma que a arrecadação era integralmente feita pelo comitê financeiro da campanha, do qual Luiz Abi jamais participou. No total, a campanha de Richa à reeleição registrou receitas de R$ 26 milhões.

Enio e Lula

Vem com a gente

Lula e Dep. Federal Enio Verri

Faça parte da rede de defesa dos DIREITOS SOCIAIS e pela DEMOCRACIA.

Enviar mensagem
Vamos conversar?
Olá!
Envie sua mensagem para o deputado Enio Verri.