Petistas reforçam pedido de renúncia de Temer

Publicado em 14 de dezembro de 2016

Acabou o governo de Michel Temer, o breve. Embora ele continue no cargo, sua lápide política está sendo erguida em ritmo acelerado desde a delação premiada do executivo da Odebrecht que o citou nada menos do que 43 vezes no depoimento que foi divulgado pela grande mídia na última sexta-feira (9). Nesta terça-feira (13), quem sugeriu a renúncia de Temer foi simplesmente o líder do governo no Senado, Ronaldo Caiado (DEM-GO), um dos líderes da direita e porta-voz do setor ruralista. “Ele deve ter a sensibilidade que não teve a presidente Dilma”, resumiu Caiado ao Estadão, sem assumir explicitamente sua posição.

No sábado, o Jornal Nacional fez com Temer o que já virou tradição contra o PT, Lula e Dilma ao longo da última década: um massacre. No total, 25 minutos dedicados à delação que colocou Temer no centro do escândalo que envolve a empreiteira e boa parte dos partidos e políticos que conspiraram para afastar Dilma Rousseff da presidência.

“O governo Temer derrete no Palácio, na opinião pública e no Congresso. Temer não tem mais condição nenhuma de permanecer no cargo e impor a votação, por exemplo, dessa retirada de direitos previdenciários com a sua proposta de reforma. A declaração do líder Caiado é a prova disso”, avalia o deputado Afonso Florence (PT-BA), líder do PT na Câmara.

Para o deputado José Guimarães (PT-CE), o Brasil está numa “encruzilhada” e a saída de Michel Temer é a solução. “Não é só a voz da oposição e do povo. Gente da base do governo reconhece que não há condições para que Michel Temer unifique o país. Nesses oito meses em que está no governo, ele desconstruiu o nosso legado de políticas públicas, agravou a crise institucional e, portanto, inviabilizou econômica e politicamente o Brasil. A saída é a sua renúncia e a convocação de eleições diretas”, afirma Guimarães, que foi líder do governo Dilma na Câmara.

“A declaração de um dos líderes do governo golpista mostra o nível da crise a que nós chegamos. Mais do que nunca está provado que o golpe não se justificou. A elite brasileira, em conluio com o grande capital internacional, entende que Temer já cumpriu o seu papel e querem substituí-lo. Mas eles querem dar um golpe dentro do golpe, enquanto nós queremos eleições diretas. Não podemos admitir eleições indiretas dentro do Congresso Nacional”, acrescentou o deputado Enio Verri (PT-PR).

Na mídia, além do Jornal Nacional, a Folha de São Paulo divulgou pesquisa do Datafolha – realizada antes de vir a público a delação premiada do ex-executivo da Odebrecht – apontando que 63% da população quer a renúncia de Temer. O mesmo jornal publicou nota reveladora na coluna Painel, no domingo (11): “Com delação da Odebrecht, partidos da base de Temer já avaliam desembarcar do governo”.

Quanto tempo mais Temer ficará no Planalto? Façam suas apostas.

Rogério Tomaz Jr.
PT na Câmara

Enio e Lula

Vem com a gente

Lula e Dep. Federal Enio Verri

Faça parte da rede de defesa dos DIREITOS SOCIAIS e pela DEMOCRACIA.

Enviar mensagem
Vamos conversar?
Olá!
Envie sua mensagem para o deputado Enio Verri.