Bolsonaro barra parceria que fornece remédios para 30 milhões de pessoas

O governo suspendeu a fabricação de 19 medicamentos produzidos por sete laboratórios brasileiros, que atendem pacientes com câncer, diabete e transplantados. Os remédios são distribuídos gratuitamente pelo Sistema Único de Saúde (SUS) a mais de 30 milhões de brasileiros. A medida de Bolsonaro solapa milhões de reais investidos em tecnologia de ponta. Todos os países do mundo almejam desenvolver tecnologia, porém, o Brasil vai de encontro a esse ideal.

Foram cortadas as produções de laboratórios de excelência internacional reconhecida como, Fundação para o Remédio Popular – FURP, Instituto de Tecnologia do Paraná (Tecpar), Butantã, Farmanguinhos, Bahiafarma e Biomanguinhos. As instituições fornecem os medicamentos com valores 30% mais baratos que os de mercado. Estima-se que a perda anua para a economia será de R$ 1 bilhão.

De um lado, o governo abre mão, deliberadamente, de desenvolver tecnologia, reconduzindo o País à condição de importador e dependente de outras nações. De outro, Bolsonaro deixa a descoberto quase 15% da população. Para o deputado federal, Enio Verri (PT/PR), trata-se de uma medida que atenta contra a soberania do País e contra a própria população.

“É incompreensível o governo de um país que desinveste em tecnologia e, ao mesmo tempo, desprotege a sua população. Afinal de contas, renunciar à tecnologia é se assumir dependente de quem se dispõe a desenvolvê-la. Porém, tão ou mais grave e desumano, é abandonar 30 milhões de pacientes à própria sorte”, declara Verri.