Contra a privatização da Copel Telecom a Compagas

Foi com grande preocupação que o mandato popular do deputado federal, Enio Verri, teve acesso à manifestação do Sindicato dos Engenheiros do Paraná (Senge-PR), segundo a qual, denuncia a intenção do futuro governador do Paraná, Ratinho Jr., de privatizar a Copel Telecom a Compagas e de colocar à venda ativos da Copel e da Sanepar. A se confirmar a informação será um duro golpe para a população do Paraná, que verá empresas públicas passadas para as mãos da iniciativa privada, cujo compromisso único é com os lucros e não necessariamente com a qualidade da prestação dos serviços.

Levantamento feito pelo Senge diz que o número de assinantes dos serviços de banda larga da Copel Telecom cresceu 11,3%, em relação a 2016, enquanto que, a Copel Telecom, aumentou em 34% o número de assinantes. A alta velocidade da internet, 100% em fibra óptica, é uma conquista dos contribuintes paranaenses, que investiram em servidores públicos de grande competência técnica e em equipamentos de alta tecnologia. A população não pode permitir que uma empresa cuja Receita Operacional Líquida que cresceu 17,7%, entre 2016 e 2017, seja entregue à iniciativa privada.

Já a Compagas, segundo o Senge, aumentou em 10% o número de clientes e teve lucro líquido de R$ 65,6 milhões. A população do Paraná contribuiu para que a empresa investisse R$ 14,41 milhões, em 2017, para expandir sua rede de distribuição. Portanto, não há justificativa que permita vender as empresas, a não ser uma ideologia do Estado Mínimo, voltada única e exclusivamente aos interesses do mercado financeiro.

“Somos absolutamente contra a possibilidade de o Paraná se desfazer de suas empresas. Pelo contrário, elas fazem do patrimônio publico e devem estar a serviço do desenvolvimento da população. Se a iniciativa privada deseja atuar no estado, que faça seus investimentos e não venham comprar o que já está pronto e funcionando muito bem”, diz Enio Verri.

Enio Verri é deputado federal pelo PT e professor licenciado do Departamento de Economia da Universidade Estadual de Maringá (UEM).