Líder do PT defende instalação de CPI para investigar as ilegalidades da Lava Jato

O líder da Bancada do PT na Câmara, deputado Enio Verri (PR), fez um apelo nesta quarta-feira (29), ao presidente da Câmara, deputado Rodrigo Maia (DEM-RJ), para que instale imediatamente a CPI da Lava Jato. Durante pronunciamento na sessão remota da Casa, o parlamentar destacou que as últimas denúncias feitas pelo Procurador-Geral da República, Augusto Aras, sobre o arsenal de dados pessoais da Lava Jato contra dezenas de milhares de pessoas, apenas comprovam as denúncias que o PT já fazia: de que essa Operação havia se transformado em um projeto de poder que enfraqueceu a democracia no País e ajudou a eleger o presidente de extrema direita Jair Bolsonaro.

Segundo o líder do PT, o parlamento precisa apurar a informação revelada por Augusto Aras de que a Operação Lava Jato em Curitiba armazena dados de 38 mil pessoas e que a quantidade de informações é superior às que estão em todo o sistema do Ministério Público Federal.

“A denúncia de Augusto Aras apenas vem fortalecer uma coisa que o PT já vem denunciando há muito tempo. Precisamos abrir de forma urgente a CPI para tratarmos da Operação Lava Jato. É preciso que todos os setores da sociedade fiquem sabendo exatamente que papel essa Operação vem cumprindo na democracia brasileira”’, afirmou.

De acordo com Enio Verri, essa investigação poderá revelar, por exemplo, porque a Operação Lava Jato perseguiu tanto o PT, estimulando o golpe de 2016 contra a então presidenta Dilma Rousseff, prendendo Luiz Inácio Lula da Silva e ainda impedindo a sua candidatura em 2018. O petista ainda ressaltou que os objetivos econômicos da Lava Jato, que quebrou tantas empresas nacionais e gerou tanto desemprego e miséria, também poderão ser desmascarados pela CPI.

“O PT já havia denunciado que a Lava Jato tinha se transformado em um partido político, que ela tinha um papel específico, estava a serviço das grandes elites, do mercado financeiro, e que tinha ligação direta com os Estados Unidos, e cujo objetivo era destruir um partido que fazia profundas mudanças no País, e que tinha condições de continuar esse projeto”, revelou.

Destruição da democracia

Já o projeto político da Lava Jato, segundo o líder do PT, era destruir a democracia brasileira. Nesse contexto, para Enio Verri, o então juiz Sérgio Moro teve papel crucial, inclusive na eleição de Jair Bolsonaro em 2018. O parlamentar disse ainda que a entrada de Moro no governo como ministro da Justiça apenas comprovou esse fato. Segundo ele, até a saída do ex-ministro do governo obedece a um cálculo político-eleitoral e não se deu por conta das ilegalidades cometidas por Bolsonaro e denunciadas pelo ex-juiz ao deixar o cargo. Verri ressaltou que Sérgio Moro apenas abandonou o governo porque não encontrou espaço político para tocar seu projeto de poder, apoiado pela Operação Lava Jato.

Grande golpe

“O que está por trás desse ‘lavajatismo’, citado por Augusto Aras, é a construção de um grande golpe contra a nação brasileira e contra a nossa Constituição, aliada a interesses escusos. Por isso é importante que toda população fique sabendo, vamos pesquisar o que é essa Operação (Lava Jato), vamos abrir essas informações e esses dados. Essa Operação ajudou muitos interesses econômicos, teve muita empresa e muito advogado que ganhou dinheiro com isso, e muitos operadores dentro e fora do País que tiveram vantagens gigantescas, que nós temos que conhecê-las e denunciá-las”, defendeu o líder do PT.

Héber Carvalho