Petistas lamentam decisão que libera manifestação pelo fechamento do Congresso e do STF

O líder do PT na Câmara, deputado Enio Verri (PR), e o deputado Rogério Correia (PT-MG) lamentaram a decisão do ministro Celso de Mello, decano do Supremo Tribunal Federal, que permite a realização de uma manifestação, nesta sexta-feira (8) na Esplanada dos Ministérios, favorável ao fechamento do Congresso Nacional e do próprio STF. Nesta quinta-feira (7), em uma ação de iniciativa de Rogério Correia e assinada pela presidenta nacional do PT, deputado Gleisi Hoffmann (PR), o líder Enio Verri e outros 43 parlamentares petistas, foi pedido ao Supremo que impedisse a realização da manifestação.

Trajado com uniforme militar, o criador do grupo “Soldados do Brasil, Voluntários da Pátria”, conhecido como Paulo Felipe ou “Comandante Paulo”, defendeu em um vídeo que circula pela internet a invasão ao Congresso e ao STF, durante a manifestação prevista para hoje. Ele ainda diz que o ato contaria com apoio de militares da reserva.

Em um dos trechos do vídeo postado por Paulo Felipe, ele afirma que um comboio organizado chegaria em Brasília nesta sexta-feira (8). “Pelo menos com 300 caminhões, muitos militares da reserva, muitos civis, homens e mulheres, talvez até crianças, para virem para cá, para Brasília, para nós darmos cabo dessa patifaria que está estabelecida no nosso País há 35 anos, por aquela casa maldita ali: Supremo Tribunal Federal, com 11 gângster, que têm destruído a nossa nação. São aliados com o Foro de São Paulo e o narcotráfico internacional”, diz Paulo Felipe no vídeo publicado no Facebook.

Ataque ao Estado de Direito
O líder do PT lamentou que, mesmo diante de tantas evidências de ataques ao Estado Democrático de Direito, o ministro Celso de Mello tenha liberado a manifestação.

“Com todo respeito ao decano Celso de Mello, eu acho que (essa decisão) é um equívoco. Afinal de contas, o que estamos questionando não é o direito da população organizar-se em atos e manifestações, embora tenhamos o problema do coronavírus. O que estamos questionando é esse tipo de manifestação confessadamente antidemocrática”, afirmou o líder do PT.

Na avaliação do líder essa manifestação é abertamente contra democracia, contra a República brasileira e contra os Poderes. “Por isso é inconstitucional, ilegal e não podemos admitir que isso ocorra. Por isso eu sinto muito pela decisão do ministro”, completou Enio Verri.

“Brincando com o fascismo”

Já o deputado Rogério Correia, autor da ação, disse que ao não impedir essa manifestação o STF “está brincando com o fascismo”. “O STF não pode lavar as mãos, como fez Pôncio Pilatos. Não se deve brincar com o fascismo. E o que esse movimento significa é exatamente isto. Portanto, manifestações autoritárias que pedem fechamento do Congresso e do STF, são contra a democracia e não devem ser aceitos pela sociedade. O Supremo devia ter cuidado com isso”, advertiu.

Bolsonaro e as manifestações antidemocráticas

Rogério Correia ainda defendeu que a Suprema Corte investigue a relação do presidente Jair Bolsonaro com grupos que nos últimos meses vem realizando manifestações antidemocráticas. “É preciso que o STF passe a investigar, conforme pedido de minha iniciativa acompanhado de muitos deputados da Bancada do PT, a relação do presidente Bolsonaro com os movimentos antidemocráticos, a exemplo desse movimento paramilitar fascista 300 do Brasil”, afirmou.

O grupo denominado “300 do Brasil” está acampando nas imediações da Esplanada dos Ministérios, desde o último domingo (3), quando ajudou a organizar outra manifestação em Brasília em defesa do governo Bolsonaro e pedindo o fechamento do Congresso e do STF. Segundo informações divulgadas pela imprensa, um dos organizadores do acampamento é assessor da deputada Bia Kicis (PSL-DF), aliada próxima de Bolsonaro.

Héber Carvalho