Pobre país rico

Os ataques à Petrobras atendem aos interesses de países no centro de poder mundial de olhos nos recursos energéticos do Brasil. É a imposição da agenda do sistema financeiro mundial. O mercado é uma entidade cuja relação com o Estado é a de explorá-lo e dele retirar o maior lucro possível.

A indicação de Roberto Castello Branco para a presidência da Petrobras será a concretização desse objetivo. A empresa será esquartejada e distribuída entre petroleiras estatais de outros países e o nosso petróleo produzirá o desenvolvimento dessas nações.

O Iraque, a quinta maior reserva de petróleo do mundo, mas pobre, foi invadido em 2003, sob o argumento de possuir armas de destruição em massa.

Os EUA e Saddam Hussein eram parceiros desde 1963, desde a deposição do ex-presidente Abdul Kassem. Hussein foi alçado a presidente pelos EUA no fim da década de 1970.

Quando Hussein, após mais de 20 anos, anunciou a venda do seu petróleo, em euro, foi derrubado, julgado sumariamente e enforcado, em 2006, no Iraque invadido pelo governo George Bush. Naquele ano, o Brasil anunciou a descoberta da sua maior reserva de petróleo, o pré-sal.

Em 2008, a Petrobras começou a extrair os primeiros barris. Em 2010, o governo aprovou a lei da partilha, que substituiu o modelo de concessão. De forma geral, a principal diferença entre os dois modelos é que, pela concessão, o petróleo é de propriedade da empresa que o explora, pagando uma parte ao Estado. Pela partilha, o dono do petróleo é o País. No caso, o Brasil.

Além de proteger o pré-sal, como patrimônio brasileiro, o governo implantou e consolidou uma política de conteúdo nacional para estimular a indústria do setor de gás e petróleo.

Devido aos investimentos, em 2015 a Petrobras recebeu o mais importante prêmio que uma petroleira do seu porte pode receber, o OTC Distinguished Achievement Award for Companies, Organizations and Institutions, pelo desenvolvimento de tecnologias.

Entre 2011 e 2017, a liquidez corrente da empresa oscilou entre 1,5 e 1,9. Ou seja, para cada 1 real investido, a companhia recuperaria entre 1,50 e 1,90 real.

Destarte, é fácil compreender porque o valor de mercado da Petrobras passou de 50 bilhões de reais, em 2003, para 214 bilhões em 2016. O que fica realmente difícil de explicar, diante dos números, é o ávido interesse de todas as grandes petroleiras do mundo em comprar uma empresa teoricamente quebrada.

Castello Branco critica o monopólio estatal da perspectiva rentista. O resultado de uma estatal não pode ser tomado apenas dos pontos de vista do lucro e do prejuízo. Leva-se em consideração a sua contribuição para o desenvolvimento do País.

O subsídio aos combustíveis entre 2011 e 2014 foi para que os pobres consumissem gasolina e gás de cozinha e não causou prejuízo à Petrobras. No período, o valor positivo do caixa da empresa oscilou entre 33,03 bilhões de reais e 26,6 bilhões.

O que está em jogo é a soberania do País, a autodeterminação de investir sua riqueza onde e como lhe convier. Pelos resultados conquistados, fica patente a competência da empresa para gerir essa imensa riqueza brasileira, o nosso passaporte para o futuro, como disse o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva.

A partir de 2016, os preços internos de combustíveis foram colocados acima dos praticados no mercado internacional, paralisando as 15 refinarias brasileiras, gerando empregos e impostos em outros países, como nos EUA.

O novo governo é patriota de outras nações. São brasileiros que se contentam em ver o Brasil como uma eterna colônia fornecedora de commodities para o desenvolvimento de outros povos. Isso tem nome: traição e sabujismo.

Enio Verri é deputado federal pelo PT e professor licenciado do Departamento de Economia da Universidade Estadual de Maringá (UEM).