PT mais 40 anos

Foi realizada, no Plenário da Câmara dos Deputados, nesta terça-feira (11), Sessão Solene em homenagem aos 40 anos de fundação do Partido dos Trabalhadores. O evento foi prestigiado por diversas categorias da classe trabalhadora, tanto do campo quanto da cidade, inclusive pelos petroleiros em greve, por povos indígenas, movimento estudantil e por representações diplomáticas no Brasil, como a da Espanha e a da China.

A mesa coordenadora dos trabalhos foi formada pelo presidente da Central Única dos Trabalhadores, Sérgio Nobre, pelas deputadas Benedita da Silva e Gleisi Hoffmann, pelo deputado federal e líder da Bancada, Enio Verri, pelo senador, Rogério Carvalho e pelo presidente do Partido dos Trabalhadores do Distrito Federal, Jacy Afonso. Abriu a sessão um vídeo institucional, no qual aparece a voz do ex-presidente Lula falando da sua obsessão de incluir todos os brasileiros nos bancos escolares. Para o líder, o partido continua na vanguarda da política brasileira, uma vez que o futuro que se apresenta é o de reconstruir o que o governo Bolsonaro está destruindo.

“Tive a honra de participar da construção dessa história, desde o movimento estudantil, nas igrejas, nas associações de bairros, entre os intelectuais. Sempre com o compromisso de fazer do Brasil um país mais justo”, disse Verri.

Segundo o líder, a direita sempre tentou desacreditar o projeto do PT, dizendo que os projetos do partido não passavam de sonhos impossíveis de se realizar, devido a uma condição natural brasileira, que é a desigualdade. Ainda de acordo com o deputado, a teimosia do PT foi fundamental para demonstrar que o sonho era possível.
“Nós podemos dizer, com orgulho, que o projeto de Brasil do PT é possível. Nós governamos este País e reduzimos a miséria. A população brasileira passou a ter uma coisa que nunca teve e que perdeu recentemente, a esperança”, afirma Verri.

O PT colocou cerca de cinco milhões de pobres nos bancos escolares técnico e universitário, distribuiu riqueza por meio do programa Minha Casa Minha Vida, criou 18 milhões de empregos com as mesmas leis trabalhistas que foram suprimidas por Temer e Bolsonaro, entre diversos outros avanços. Segundo o deputado, o golpe aplicado contra a democracia, na pessoa da presidenta Dilma Rousseff, foi pelos acertos e não pelos erros do PT.

“Foi pelo o que fizemos de que bom nos tiraram e tentaram nos condenar de qualquer maneira, com a prisão do presidente Lula e com tantas outras injustiças. Porém, como dizem os companheiros do Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem Terra, eles tentaram nos enterrar, mas não sabiam que somos sementes”, declara o líder.

Para Verri, depois de 40 anos, o PT está novamente desafiado, do alto de quatro décadas de atuação política, a reverter a supressão da soberania e dos direitos da classe trabalhadora, que são diariamente cortados, desde o golpe de 2016. Ainda de acordo o deputado, a Constituição está sendo cortada em cada medida enviada pelo governo Bolsonaro.

“Nesse momento, devemos ter a clareza da tarefa que temos pela frente. Será difícil e não tenho dúvidas da necessidade do apoio dos movimentos sociais, da cidade e do campo, dos estudantes, dos sindicatos, com a união das esquerdas. O futuro depende do enfrentamento ao governo Bolsonaro, para não deixar que essa pauta de destruição avance, como a de liberar atividades de mineração e agropecuária em terras indígenas”, afirma Verri.