Verba destinada por Enio Verri entra na conta da prefeitura de Flórida

O município de Flórida recebeu um reforço de caixa para investir na manutenção das instalações prediais do serviço de saúde municipal, no valor de R$ 100 mil. Desta forma, a prefeitura contratará a prestação de serviços de reparos, comprando do comércio local, o que for possível, importando e criando empregos. A população recebe instalações mais dignas, pagas por ela mesma, inclusive, o comércio vende mais, cria-se empregos e a prefeitura arrecada e pode reinvestir no desenvolvimento de Flórida, com mais construções e a ampliação da oferta de serviços.

Para o deputado federal Enio Verri (PT), autor da emenda, esses valores estão muito aquém das demandas da sociedade, “porém, nesses tempos de crise, fazem a economia municipal girar, como um todo”. Ainda de acordo com Enio Verri, ainda que modesta, há uma certa distribuição. “A somatória desses fatores contribui para o desenvolvimento do município”.

Porém, o deputado se diz muito preocupado com as consequências da Nova Previdência para o município de Flórida, cujo percentual das receitas oriundas de fontes externas passa de 80%. O valor das aposentadorias e das pensões, pagas pela Seguridade Social, representam mais de 40% do que Flórida arrecada com Fundo de Participação Municipal, ISSQN, IPTU e Royalties. A média salarial local é de dois salários mínimos. A Nova Previdência reduzirá quase 50% dos proventos de quem se aposentar, caso a sociedade permita que ela seja aprovada no Senado. Com menos dinheiro em mãos, a classe trabalhadora deixará de consumir, causando uma paralisia nas vendas do comércio e uma redução na arrecadação da prefeitura. Os desdobramentos serão o aumento do desemprego e a incapacidade de a administração fazer licitação para contratar serviços de manutenção de seus serviços públicos.

“O que está diante de nós, e já vínhamos denunciando, há muito tempo, é o desmonte total do estado de bem-estar social, fundamental em um dos países mais desiguais do mundo e necessariamente feito pelo Estado, sem o qual, não há indução no desenvolvimento. Haja vista a pesquisa científica e o desenvolvimento tecnológico, desenvolvidos em quase sua totalidade pelas instituições públicas”, explica Enio Verri.