Verri destina verba para implantação de Clínica do Autista em Maringá

Nesta segunda-feira (23), na Prefeitura de Maringá, estiveram presentes os vereadores, Mário Verri e Mariucci; a presidenta da ONG Projeto Incluindo Amor (PIA) e seu filho com TEA, Lilian Ferreira e Antônio e o deputado federal, Enio Verri. Durante a reunião, o vice-prefeito, Edson Scaroba, recebeu um empenho no valor de R$ 112.856 para a readequação de uma Unidade Básica de Saúde em uma clínica especializada no acolhimento de pessoas acometidas pelo TEA.

O valor foi destinado por meio de uma emenda parlamentar encaminhada pelo deputado Enio Verri. A previsão para a conclusão da obra é o primeiro trimestre de 2020, que oferecerá, a princípio, serviços de fisioterapia, nutricionista e fonoaudiologia.

O Transtorno do Espectro Autista (TEA) se caracteriza pelo comprometimento de interação social, comunicação verbal e comportamento restrito e repetitivo, porém não exclusivamente, uma vez que vai depender, também, do nível de intensidade do TEA. O fenômeno é envolto por desinformação e muito preconceito. A melhor maneira para descontruir essa condição é a informação. Nesse sentido, o município de Maringá (PR) dá um grande passo rumo à desmistificação do transtorno e, ao mesmo tempo, oferecer um espaço para a construção de relações dignas entre as pessoas, acometidas pelo transtorno, ou não.

>> Clínica do Autista, em fase final de implantação, atenderá em março

De acordo com o parlamentar, que é de Maringá, a pequena monta não resolve tudo, mas é o primeiro passo do município em direção à condição de lugar onde o avanço civilizatório seja tão prioritário quanto crescer economicamente.

“O valor encaminhado, infelizmente, não é o suficiente para erguer toda a clínica, mas já é o início de um processo que tende a crescer. Porém, o importante, de fato, é que Maringá vai oferecer acolhimento digno a pessoas que, a depender da severidade do TEA, podem se tornar mestres e doutores, ou desenvolver habilidades artísticas de grande relevância, que as incluirão social e economicamente, pois, em geral, são muito talentosas. O filho da presidenta da ONG PIA, por exemplo, tem TEA e é advogado”, disse Verri.