Verri destina verba para infraestrutura de Campo Magro

O município de Campo Magro possui cerca de 25 mil habitantes, IDH 0,7 e quase 90% das receitas são de fontes externas. De acordo como deputado, Enio Verri, o médio alto índice de desenvolvimento é um possível sinal de que os recursos estão sendo bem aplicados em infraestrutura, que produzem avanço civilizacional. Ainda de acordo com o deputado, obras dessa natureza movimentam a economia local e geram empregos, quando estão sendo realizadas. Depois de prontas, elas agilizam o traslado, evitam contaminação por poeira, lama, ou esgoto, levam água encanada, eletricidade, sinal telefônico. Ainda segundo o deputado, essas estruturas fazem o município depender menos de recursos externos, pois podem atrair um polo industrial, ou uma universidade, entre outros meios de produção.

De acordo com Enio Verri, autor da emenda de R$ 300 mil para serem investidos em pavimentação de trecho da Rua Estácio de Sá, na área urbana de Campo Magro, apesar da satisfação de saber que contribuiu com um pequeno tijolo para mais um passo do município consolidar sua autonomia, ele se diz muito preocupado com a realidade que se abate sobre Campo Magro. O deputado afirma que as políticas recessivas dos governos federal e estadual atrasarão a pretensão de desenvolvimento de Campo Magro, pois ele é um dos 80% dos municípios brasileiros que dependem substancialmente dos pagamentos das aposentadorias e dos benefícios sociais. Em geral, os valores não passam de dois salários mínimos, mas são determinantes para a economiaê local. Segundo o deputado, a arrecadação com aposentadorias urbanas e rurais e com os benefícios sociais corresponderam R$ 13,3 milhões. Já a arrecadação com FPM, ISSQN, IPTU e royalties foi de R$ 21.3 milhões. Segundo o deputado, as reformas que tramitam no Congresso Nacional, quando não rebaixam em 50% o valor das aposentadorias e benefícios, impedem a valorização do salário mínimo.

“Qualquer pessoa se sente muito bem quando sabe que contribuiu, de alguma forma e em alguma medida para o desenvolvimento estrutural de um município. São obras de urbanização e, portanto, tem a proposta de elevar o nível de qualidade de vida da população, atraindo investimentos imobiliário e de produção de bens de consumo. Porém as medidas em tramitação no Congresso debilitarão a capacidade de o município investir no desenvolvimento da sua gente